Domingo, 20 de Outubro de 2019

Buscar  
Geral

Publicada em 17/09/19 às 08:15h - 19 visualizações
Crime organizado e milícias estão ligados a desmatamentos na Amazônia

Radio Santa Maria Fm


 (Foto: Radio Santa Maria Fm)

Relatório cita a ‘Máfia dos Ipês’, que desmata, queima e toma posse da terra com a criação de gados para depois revender com documentos falsos

O desmatamento e as queimadas na Amazônia estão ligados a uma rede de criminosos que pagam por mão-de-obra, por grandes maquinários (motosserras, tratores, correntes, caminhões), e por proteção de milícia armada contra quem tenta denunciar os crimes, aponta um relatório da Humans Rights Watch (HRW), divulgado nesta terça (17).

Os criminosos ameaçam indígenas, agricultores, agentes públicos e até policiais. No alvo do crime estão os chamados “defensores das terras”, segundo o relatório “Máfia do Ipê: como a violência e a impunidade impulsionam o desmatamento na Amazônia brasileira”, feito pela organização.

De acordo com a HRW, a destruição da floresta é consequência da grilagem, crime que ocorre quando as terras são tomadas por indivíduos que se apropriam delas, segundo o documento. Os criminosos desmatam, queimam, e colocam gados sobre o pasto que sobra, para depois revender com documentos falsos, “legalizando” a área invadida.

“O objetivo [do relatório] era documentar a intimidação e a violência contra pessoas que defendem a floresta. A conclusão é que existem redes criminosas na Amazônia que estão envolvidas na extração ilegal de madeira em larga escala e em outros crimes, como ocupação de terras públicas, grilagem e, em alguns casos, com garimpo ilegal e tráfico de drogas”, afirma Cesar Munoz, pesquisador e um dos autores do relatório da Human Rights Watch.

O documento foi elaborado a partir de mais de 170 entrevistas feitas entre 2017 e 2019 – entre elas, policiais, promotores, agentes do Instituto brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Fundação Nacional do Índio (Funai), indígenas, comunidades locais e agricultores. Os dados sobre crimes relacionados ao uso do solo são da Pastoral da Terra, ligada à Igreja Católica – foram ao menos 300 crimes nos últimos dez anos, segundo a entidade. O governo federal não tem dados que monitoram este tipo de crime.

As pesquisas de campo foram feitas no Maranhão, Pará e Amazonas, com o apoio de entidades parceiras que atuam contra a violência no campo e na defesa dos direitos indígenas, de acordo com a entidade.

A análise se debruça sobre 28 assassinatos – a maioria cometido a partir de 2015 –, sobre 4 tentativas de assassinato e 40 ameaças de morte “nos quais havia evidências críveis” da ligação entre criminosos e desmatamento. A HRW é uma organização sem fins lucrativos, criada em 1978, que conta atualmente com cerca de 400 profissionais em diversos países, como advogados, jornalistas, especialistas e pesquisadores de várias áreas.

Com informações G1




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:


Hora Certa

Santa Maria FM (87)98811-1638

Redes Sociais


No Ar
O MELHOR DO POP ROCK
Peça sua Música

  • Lurdes
    Cidade: Maraba
    Música: Todas
  • Carla patricia
    Cidade: Santa Maria da boa vista
    Música: O hino escudo
  • Carlos Augusto
    Cidade: SANTA MARIA DA BOA VISTA
    Música: Margarete Menezes ''Tomé''
  • Elaine Nunes
    Cidade: Casa nova bahia
    Música: Então vem cá de mano Walter e Claudia leite
  • leandra
    Cidade: faz sitio do meio municipio de coco bahia
    Música: simone e simara quando o mel e bom
  • Francisco Mendes
    Cidade: Santa Maria da Boa Vista
    Música: Mc Ruanzinho Me da uma chance
Ouvinte do Mês




Nenhum registro encontrado




Estatísticas
Visitas: 368246 Usuários Online: 13


Bate Papo

Digite seu NOME:


Parceiros


Matutos Soluções
Copyright (c) 2019 - Radio Santa Maria Fm - Todos os direitos reservados